Minha História

Hoje o "Minha História" é muito especial.
Dessa vez não farei nenhuma introdução e sim um comentário no final do texto para contar como essa história foi importante para mim.
Eu recebi o email da Mariana quando ela ainda estava no hospital.

Voltei a trabalhar quando a minha Marina completou 7 meses. Com 6 meses comecei a adaptação dela no berçário, e quase um mês depois começou a novela de resfriados e tosses. Como só tenho a Marina, eu comecei a revezar com ela. Quando ela melhorava eu ficava ruinzinha. Mas nunca nada grave.
Até que no dia 10 de abril fui buscá-la no berçário e fiquei preocupada em vê-la tão abatida. Liguei para a pediatra e a levei no Eiensten. Era bronquiolite. Graças a Deus estava só no início, e não foi necessária internação. Tratei dela em casa, e em uma semana ela estava 100%.
No mesmo dia que a levei no Eiensten, também aproveitei para passar pelo médico, pois também estava com muita tosse. Fiz exame de sangue e Raio-X e não era nada. A princípio algo viral. Tomei antialérgico e xarope, mas a tosse persistia.

Até que no dia 23 de abril (terça-feira) comecei a me sentir mal no final do dia no trabalho, cheguei tarde em casa, a Marina já dormindo, e passei muito mal durante a noite. Calafrios, dores insuportáveis na cabeça que me levavam a vomitar muito. Tomei analgésico, e me programei para ir de taxi ao hospital na manhã de quarta feira, pois meu marido não poderia me levar, já que não teríamos com quem deixar a Marina. Na minha cabeça era uma sinusite forte, e eu tomaria uma injeção e voltaria para casa.

Na quarta acordei, e ao tentar pegar as coisas para o café da manha no armário, derrubei tudo e tive um mal estar muito forte. Não tinha forças para chamar meu marido e pedir ajuda e acabei dormindo debruçada na mesa da cozinha. Quando acordei, tentei me trocar, ainda arrumei a mala da escolinha da Marina, e meu marido me levou para o Einsten, já que não achávamos taxi disponível (tudo obra de Deus).

A médica me examinou, e clinicamente não era nada. Ela pediu exame de sangue e Raio-X, pois minha tosse já durava muitos dias, e enquanto tomava um remédio para mal estar voltei a passar mal. Logo os exames saíram e eu estava com pneumonia. Fiz vários exames, quando para minha surpresa, a médica me disse que eu seria transferida para a unidade do Morumbi (dei entrada na unidade Ibirapuera) e seria internada na UTI, pois minha pressão estava muito baixa. Eu não tinha noção da gravidade. Meu marido já havia ido embora, e fui transportada de ambulância, já cheia de fios, cateteres, medicação, e sem entender muita coisa. Fui internada por volta das duas da tarde, e no final do dia tive um choque, onde a bactéria caiu na corrente sangüínea e causou uma infecção generalizada. Fiquei entre a vida e a morte, e os médicos pediram para que minha família rezasse.

Passei por todo o tipo de provação em seis dias na UTI, sentindo medo de morrer, pensando muito na minha filha, na minha casa, mas também passando por uma transformação espiritual incrível!!! Passei dias totalmente inválida, esperando o dia em que teria pequenas coisas de volta, como usar o banheiro, tomar banho de chuveiro, dormir uma noite inteira, brincar com minha filha, beijar meu marido, ver a alegria de minha família e aquela angústia ir embora.

Hoje estou no quarto e amanhã terei alta.

Minha filha ficou sobre os cuidados da família, e o berçário foi importante para que ela não saísse da rotina, e não estranhasse esse período longe de mim. Tenho uma "bula" da Marina na porta da minha geladeira, com todos os horários e detalhes da sua rotina, e isso foi essencial para que ela fosse bem cuidada. Eu ter ensinado ela dormir sozinha também foi muito importante neste período. Minha irmã que sempre achava graça daquela lista pregada na geladeira ficou surpresa em como foi útil!!!!!!
Ontem minha Marina veio me visitar, e me olhava com uma cara como se dissesse: mamãe, onde você estava? Por que está aqui?
Ela demorou para me dar um sorriso, e ela é muito sorridente!!!! Bem parecida com a Manu.
A dor de vê-la indo embora, e eu continuando aqui foi maior do que os 7 dias sem vê-la. Mas isso tudo foi aprendizado e eu me surpreendi com a força que tenho. Apesar de toda a dor, em nenhum momento me desesperei ou perdi a fé em Deus.

Estou aproveitando esses dias para refletir e me encontrar.

Uma certeza eu tenho: não há nada mais importante que minha família e estar junto dela. Amanhã sairei daqui um ser humano melhor do que quando cheguei.

E um alerta para as mamães. Não descuidem de sua saúde!!!! Se minha imunidade não estivesse tão baixa, essa bactéria provavelmente não teria causado tantos estragos, pois, segundo os médicos, ela age nas brechas da nossa fragilidade. Para que possamos cuidar da saúde dos nossos filhos, precisamos estar bem. Não temos como doar o que não temos. Não ignoremos os sinais do nosso corpo. Não desejo o que passei para nenhum ser humano, e principalmente para nenhuma mamãe.


E o texto que a Mariana escreveu na semana passada:

Alguns meses depois posso dizer que o susto passou e estou me sentindo completamente bem de novo. Hoje sou outra pessoa. Incrível como momentos difíceis e dolorosos nos trazem tanta força e mudam completamente a nossa perspectiva da vida. Me tornei uma pessoa muito mais paciente, tranqüila e vejo sempre o lado positivo de todas as coisas e situações. Afinal, não existe problema maior do que você correr o risco de perder sua vida, e não poder mais enfrentar qualquer problema. Diminuí o ritmo e me convenci de que não sou e nem preciso ser uma Super Mulher. Aliás, pensando bem, eu sou sim uma Super Mulher, mas para os que me amam e para os que eu amo, e não o modelo de mulher perfeita que a sociedade impõe.  

Estou muito feliz com o primeiro aninho da Nina que está chegando e principalmente por Deus ter me dado a oportunidade de estar vivendo este momento com minha família e amigos. 

Agora é me cuidar para ter saúde, e poder cuidar da minha família!!!!

Um beijo grande com muito carinho

créditos da foto: www.karimscharf.com

O que é essa bebezinha mais fofa mestiça????


Agora a parte que eu gostaria de comentar...
Quando eu recebi esse relato me emocionei muito, e lendo o texto rezava e torcia para que o final fosse feliz.
E graças a Deus foi.

E foi um incentivo para mim.

Desde que a Manu nasceu eu fiquei muito fraca, emagreci muito, passei a comer mal, um monte de porcarias, e comecei a pegar todas as viroses e gripes possíveis, pois minha prioridade sempre foi cuidar das minhas filhas. 
Eu ficava em segundo plano.
Resolvi criar vergonha na cara e me propus a começar a cuidar um pouco mais de mim.
E a partir da semana que vem vou contar para vocês todas as mudanças que estou fazendo na minha vida tendo como objetivo ter mais saúde e disposição.

Mariana, muito obrigado pela sua história e por fazer "cair a ficha" na mamãe aqui !!! E que você e sua pequena tenham sempre muita saúde.
Pois no final, é sempre só isso que importa.

Bom final de semana para vocês!




E se você quiser enviar a sua história com qualquer tema relacionado à maternidade : minhasdikas@gmail.com


| Categorias:

12 comentários:

  1. Camila - Mamãe da Julia27 de junho de 2013 17:57

    Realmente tem coisas que não dá pra entender e só acreditar que não acontecem senão por uma razão maior.... Essa semana tive o que podemos chamar de "a semana", com muitos mas muitos compromissos profissionais, viajando todos os dias, saindo muito cedo (mas é cedo mesmo tipo 5hs da manhã de casa) e voltando muito tarde. Hoje quando cheguei estava tão mas tão exausta que minha única vontade era de chorar. Deitei no colo do meu marido e falei o que vc acabou de escrever aí em cima: Preciso cuidar mais de mim senão vou pifar! Lendo o depoimento da Mariana e sua auto-reflexão não tem como não se identificar. Só sei que assim como vcs, preciso cuidar mais de mim pra poder dar conta de quem mais amo, minha família linda ;)

    ResponderExcluir
  2. Mariana Brancatte27 de junho de 2013 18:26

    Katia, fiquei muito feliz em saber que pude te ajudar a tomar a iniciativa em cuidar da sua saúde. Muito obrigada pelo carinho e pelas dikas!!!!! Beijos carinhosos meus e da minha família

    ResponderExcluir
  3. Sou primo da Mariana, e digo que essa historia de lembrar me emocionou muito novamente, pois quando eu soube através dos nossos familiares que a nossa Mariana estava internada, me deu um aperto no coração, e foram dias de muita reza e energia positiva pra que ela voltasse sa e salva pra casa e pudesse cuidar da coisa mais maravilhosa da minha vida também que eh nossa mesticinha Marina (não sou pai ainda) então essa eh a nova paixão da minha vida que esta conosco a 11 meses! e quando fui visita-la no hospital e vi ela la toda debilitada mas com muita forca de vencer e forca que estavamos passando pra ela, se eu pudesse arrancaria ela de la naquela hora e passasse o q ela estava passando naquele momento pra mim, pra que ela pudesse voltar pra casa cuidar da neném dela, e da família toda...porque essa bebe eh da família também rs.... mas não pude, então dei um beijo nela passando toda minha energia pra ela, acreditando em sua melhora...e continuei rezando muito por ela, então graças a Deus ela se curou e pode voltar a sua casa e sua rotina, e ser cada dia mais essa maezona como ela eh pra Marina. Então... Mari deixei esse recado aqui pra te dizer que você não eh só essencial na vida da Marina, mas na minha também e na vida de todos nos da sua família, continue sendo essa prima fantástica e mãe maravilhosa, Deus só mostrou pra você e pra nossa família o quanto você eh importante pra todos, e quanto amor sentimos por tudo o que eh! e que juntos somos todos mais fortes! te amo Prima! Beijo do Henrique.... e sinta-se beijada e abraçada por toda família! Você eh especial!

    ResponderExcluir
  4. Meu Deus Katia, a historia da Mariana chegou para mim como um aviso, na hora certa. Nem lembro mais da minha saude desde que minha filha nasceu. Agradeco de coracao por ter tido a oportunidade de ler. Engracado que quando estamos gravidas (pelo menos comigo foi assim) todos, amigos, família, marido, nos paparicam, é um tal de "come isso que faz bem" , minha mae fazia comidinhas e me mandava, enfim..depois, quando estamos nessa fase com bebe pequeno, que nao dá tempo para nada, ninguém está nem aí. Se um dia minha filha tiver filhos, certeza que irei cuidá-la muito...Desejo tudo de melhor para a Mariana e a família dela. E claro, para voce também, sempre. Bjs. R.

    ResponderExcluir
  5. Muito bonita a historia. Estou gravida, e acabei de abrir o meu business. Fiquei tao preocupada com isso tudo, com arrumar a minha casa, arrumar as coisas do bebe, etc, que acabei esquecendo da minha saude (e a do meu filho, por consequencia), que comecei a sentir fortes colicas, e o meu medico me pediu para descansar. Soh nesse momento que precebi que o meu bebe nao precisa de um quarto lindo, mil roupinhas, uma mae empreendedora. Isso nao eh o mais importante. Ele precisa que eu me cuide para estar bem e viver muito para cuidar dele!
    Beijos e bom final de semana Katia

    ResponderExcluir
  6. A história da Mariana me emocionou muito, pois passei por algo semelhante quando meu bebê nasceu. Não cheguei a ficar na UTI mas também corri risco de vida, isso quando meu bebê tinha apenas 40 dias de nascido.
    Me chamou muito a atenção o fato de deixar a rotina do bebê pregada na geladeira, pois a gente nunca sabe o dia de amanhã e se nosso bebê tiver que ficar com alguém da família já deixar a rotina por escrito ajuda muito.
    O que me preocupou bastante é o fato de que meu bebê não sabe dormir sozinho. Semana que vem ele faz 9 meses e só dorme depois que mama no peito. Isso me preocupou bastante.
    Kátia, você bem que podia publicar um post nos ensinando a fazer nossos bebês dormirem sozinhos. Já tentei algumas vezes mas ele chora até eu pegá-lo no colo novamente.
    Bom, que venham outras histórias com finais felizes para aprendermos a ser mães e seres humanos melhores.
    Beijos!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Joyce, ja anotei aqui, vou fazer esse post sim!
      beijao

      Excluir
  7. Chorei...
    Meu maior medo é que aconteça algo comigo e eu não consiga cuidar da minha filha. Ao mesmo tempo não me cuido tanto quanto deveria!!! Minha cabeça anda tão confusa, to grávida de 20 semanas, queria muito ter mais filhos e estou felicíssima, mas com muito medo de não conseguir dar conta de duas crianças, minha primeira filha tem só uma ano e meio e aqui em casa não temos babá, nem cozinheira, nem faxineira, tenho perdido noites de sono por conta disso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. tassia, tenho certeza que voce vai dar conta sim! vai vivendo um dia de cada vez, assim fica mais facil.
      Voce com certeza já é uma super mulher!
      bjs

      Excluir
  8. Obrigada pelos créditos! Mari, você é uma vencedora!! Te vejo em breve pra próxima sessão da sua pequena linda!! bjs Karim Scharf

    ResponderExcluir

 
Minhas diKAs Baby © Copyright 2011 | Design por Katia Ouang. Codificado por Delikka.