Vida de Mãe - A chegada do segundo filho


Outro tema que recebo muitos emails é , como está a minha rotina com 2 filhas e principalmente, como foi a reação da Bruna com a chegada da Manuela. Ainda estou aprendendo a lidar, cada dia é uma conquista, as vezes dá certo, às vezes não, mas faz parte da difícil tarefa de criar um filho. Por isso hoje vou tentar passar para vocês como tem sido esses dias já que a Bruna ainda não está na escola e tenho as 2 o dia todo comigo em casa.

Independente da personalidade e idade do primeiro filho, todos sentem com certeza. Ser o filho único, centro das atenções e mimado por todos de fato é uma delícia. Então busquei ler um pouco sobre o assunto e conversar com algumas amigas terapeutas para me preparar para a chegada da Manu e saber como lidar com a Bruna.

Durante a gravidez eu sempre agi naturalmente, sem forçar nenhuma situação. Pois de nada adiantava falar para um bebê de 1 ano que tinha uma irmãzinha na minha barriga e que ela estava crescendo lá dentro.
Muito menos pedir para ela beijar a minha barriga ou falar o tempo todo nisso. Primeiro porque a Bruna ainda era muito pequena, e segundo porque causaria uma ansiedade desnecessária nela. E foi isso que todo mundo me indicou; não gere nenhum tipo de ansiedade na criança. Seja natural.

Com a evolução da gestação, a Bruna também evolui muito. De um bebê que não fazia nada, passou a falar e entender muita coisa.
Por volta dos 7 meses quando algumas coisas do quarto começaram a chegar , ela percebeu que algo acontecia. Comecei aos poucos a falar que aquele era o quarto da Manu, as coisinhas dela... sempre com naturalidade e sem questionar se ela ajudaria a cuidar, se iria brincar.... Pois isso geraria expectativa,  e quando a Manu chegasse não iria brincar ou interagir com ela como ela estaria imaginando e seria apenas um bebê que dorme e chora.

Quando eu saí de casa para ir para a maternidade , a Bruna ainda dormia.
Nao tive coragem de entrar no quarto para dar um beijo , pois já estava super emotiva e ia desabar. Além do medo de algo acontecer comigo no parto , me sentia meio culpada,  uma sensação esquisita, um medo de decepcioná-la, medo dos dias que viriam... e o principal; culpa de não ter curtido ela tanto quanto eu gostaria... de correr, rolar no chão, pular. Isso devido à minha limitação por causa do mal estar da gravidez e de dores horríveis nas costas . Eu via os dias passando, ela crescendo, evoluindo e eu sofrendo por não poder aproveita-la, e sempre dependendo de ajuda,  seja de babá, do marido, da minha mãe... E eu simplesmente detesto depender.

No mesmo dia que a Manu nasceu, pedi para a minha mãe trazer a Bruna para visitá-la. Conforme dicas de amigas que já passaram por isso; compramos alguns presentinhos para dar quando ela entrasse no quarto falando que era da Manu para ela. Também achei melhor não estar amamentando ou com ela nos braços quando a Bruna chegasse pois seria um impacto muito grande. Então deixamos a Manu no bercinho e assim que a Bruna entrou , meu marido foi buscá-la na porta e primeiro a trouxe para mim, e depois apresentou a Manu.
A Bruna não demonstrou nenhuma reação, olhou e depois começou a ficar manhosa. Demos os presentes e então ela se distraiu um pouco. No segundo dia a Bruna pediu para subir na cama comigo, então pegamos a Manu, colocamos junto , e deixamos a Bruna fazer carinho, abraçar. E essa é a foto desse primeiro encontro onde eu quase infartei de emoção e medo dela esmagar a pequena!


O que o meu pediatra me orientou é; deixe a mais velha reagir como quiser, deixe abraçar, apertar, beijar, apenas fique de olho com situações que tenham risco, como ela atirar algum brinquedo, cair em cima, apertar a moleira... 
Se a mãe agir com medo, proibir, vetar, já vai afastar a criança logo de cara. E não tem como evitar que pegue no bebê com  a mão suja, beije no rosto, passe a mão na boca... Estou aprendendo a respirar fundo e levar numa boa. Penso sempre assim; todos sobrevivem no final, mesmo que para isso venham algumas gripes ou viroses. Dá sim para super proteger o primeiro, mas o segundo, o terceiro... impossível . Mesmo porque para protegê-lo,  você terá que evitar o contato com o mais velho. 

O mais difícil foram as 2 primeiras semanas em casa. Achei que eu não fosse aguentar. Além do cansaço e dificuldade dos primeiros dias com adaptação e amamentação ( sim, no segundo filho isso também acontece!), a Bruna resolver surtar.
De uma menina doce, ultra ativa e totalmente regrada, passou a ficar agressiva, chorava o dia todo, se jogava no chão,  e não queria mais dormir depois do almoço. Se aproximar da Manu então, nem pensar. Isso estava me matando fisica e psicologicamente. Pois além do meu cansaço, estava sofrendo demais sabendo que a Bruna não estava bem, que precisava de mim, e eu não conseguia dar toda a atenção que ela merecia. Mais um sentimento de culpa.
Não dormir mais a tarde que atrapalhou tudo. Pois a Bruna sendo super ativa  precisa desse descanso. E eu que trabalho, preciso desse tempo de silêncio em casa. Então no meio do dia ela ficava ainda pior, pois somado ao ciumes, ficava irritada de exaustão e não se rendia ao sono de modo algum.
Tentar fazer ela dormir era desesperador. Era só colocar no berço para ela berrar, chorar, gritar, e pedir  "Mamãe,por favor, não quero dormir". Tentei outras técnicas, coloquei na minha cama, contei histórias, levei na cama da minha mãe, e nada.
Depois de 2 semanas quem surtou foi eu. Comecei a chorar de cansaço, de desânimo e com medo de que a Bruna não voltasse mais à rotina dela. Pois eu não estava mais dando conta.
Então como sempre fiz, decidi deixá-la chorar no berço.
Sempre segui o Nana Nene com firmeza e por isso a Bruna é tão regrada e sempre dormiu sem acordar. Então lá fui eu tapar os ouvidos, pois coração de mãe não aguenta. Foram 2 dias chorando por alguns minutos que pareciam eternidade para mim.
No terceiro dia ela chorou um pouco, sentou no berço, pegou seu ursinho e capotou dormindo por quase 4 horas.

Depois dessa tarde bem dormida as coisas começaram a melhorar muito por aqui.
Ela voltou a sorrir, ficar bem disposta, brincar e parou de dar escândalos. O que algumas horas de sono não fazem com uma criança!
Ela não demonstra interesse pela irmã, mas também não se incomoda com ela. Eu sempre convido para ajudar a trocar fralda, dar banho... Convido uma vez, não forço, se ela quiser ela vem. Ela gosta e se sente importante ajudando quando tem vontade.
Por pouca vezes pediu para pegar a Manu no colo, e aí quando pede fica amassando , beijando, é super carinhosa. Outras vezes quando vê no meu colo quer bater,  chora, faz escândalo.... São reações contraditórias, mas tudo dentro do esperado. O importante é não se render a esses dramas por pena, se não viramos refém disso.

Já passaram 50 dias do nascimento da Manu, e posso dizer que estou bem feliz com a minha rotina apesar da exaustão extrema. O pouco tempo que tenho livre , pois continuo trabalhando com design e com o blog que me demandam muito tempo, tento brincar com a Bruna e paparicá-la ao máximo. Elogio sempre, abraço, beijo, faço ela sorrir... e a Manu como não sente ainda, fica onde der; no carrinho, no berço, na cadeirinha. E acabo ficando com ela mais para amentar e depois que a Bruna dorme. Mas é um anjinho, não chora por nada, fica quietinha, o que ajudou muito a não irritar a Bruna , que as vezes nem lembra que a Manu esta em casa.

Essa semana tive uma alegria imensa, e uma sensação que nunca havia sentido antes; a de poder brincar com a Bruna de verdade. Depois de 9 meses de uma gravidez onde eu não tinha disposição e ainda limitada com as costas somado a um pós parto muito dificil e com algumas complicações, fomos em uma festinha e fui no pula pula, na piscina de bolinhas com ela, rolamos no chão...enfim, me senti livre e brincando de verdade. Parecia  o início de uma nova relação. A felicidade dela falando: Mamãe está brincando comigo valeu todos esses meses. Ela não queria sair da piscina de bolinhas, só para ficar ao meu lado.
Acho que a foto demonstra toda essa alegria:

Ainda essa semana, fomos juntas ao Shopping, sem babá, sem marido, sem avó. Pela primeira vez depois que engravidei da Manu, não precisei de ninguém para me ajudar. Tomamos sorvete, passeamos, compramos um vestido para o aniversário dela. Foi simplesmente delicioso.

Ainda tenho muita limitação de tempo livre e de dor nas costas, não consigo fazer tudo que eu gostaria, tanto é que pós piscina de bolinhas, não levantava da cama no dia seguinte de dor no pescoço. Mas hoje posso tomar remédios, fazer ultrasom, é um pouco mais fácil que na gravidez.

E assim tem sido os meus dias. Estou realizada com minhas duas filhas e a cada dia melhorando a sensação de culpa com a Bruna. Não foi fácil esse começo com as duas. Mas como tudo na vida que é novidade, exige adaptação e principalmente, paciência.
Logo a Bruna vai perceber a importância de ter um irmão, logo poderão brincar juntas e criarão uma amizade e um laço para a vida toda.

A sabedoria das mães está em conseguir administrar toda essa mistura de sentimentos sem se culpar , sabendo que tudo que proporcionamos aos nossos filhos , com certeza é o melhor que podemos dar e com o maior amor do mundo.!!! A maioria das famílias hoje tem 2 filhos, e estão todos aí ,sem traumas e gratos por terem um irmão.
Por isso para as mães grávidas do segundo filho e que tanto me perguntaram sobre esse tema, não sofram antes da hora, não se culpem tanto, pois muitas vezes acaba sendo até mais fácil do que nós imaginamos. Tudo se ajeita no final.
E o que eu posso falar é que a emoção e o amor que sentimos realmente só multiplica e nos completa ainda mais.
É bom demais !

E nesse exato momento, estou em casa, esperando a fisioterapeuta chegar, para tentar melhorar a dor nas minhas costas, fruto das brincadeiras com a Bruna !


| Categorias:

19 comentários:

  1. Meu marido e eu resolvemos ter um bebe, estamos tentando a pouco tempo, um mes só, rs...e eu estou muito ansiosa. Descobri seu blog e venho visita-lo diariamente. Adorei este seu relato. Desejo-te força, tudo dá certo no final. Parabens por suas lindas menininhas!
    Bjos

    Karina Diniz

    ResponderExcluir
  2. Oi Kátia. Sempre leio o seu blog, mas nunca comentei aqui. Vc me emocionou com suas palavras, pois eu grávida do segundo filho me pergunto diariamente como será ter dois bebês em casa. Meu primeiro é mto apegado e está cada vez mais. Me dá aflição em pensar como darei conta de dois sendo que ele vive grudadinho comigo. Mas no fim tudo dá certo. Parabéns pelas filhotas.

    ResponderExcluir
  3. Kátia, adorei o post! seu relato foi simplesmente igual a tudo que estou passando. Minha filha está com 21 dias e meu pequeno está com 3 anos. Iive uma gravidez de risco e não pude curtir meu filho como gostaria. Não podia dirigir e com isso deixei de levá-lo na escola. Fiquei muito frustrada de não poder fazer várias coisas com ele. Também precisei depender dos meus pais, marido. Goi muito difícil pra mim. Sou bem hiper ativa. Ó meu pequeno foi ao hospital no dia do nascimento da minha pequena e agiu como a sua. Em casa não estou tendo resguardo, pois tento ficar com ele o máximo possivel! Por isso tambem tive algumas complicacoes pos parto. Tenho um blog e entre uma mamada e outra tento atualizá-lo. Agora estou aqui escrevendo este comentário e colocando minha filha pra arrotar.
    Desejo todo sucesso do mundo pra vc e quero te dizer que vc nao está sozinha nessa trajetória, um grande beijo e parabéns pela mãe que você é!

    ResponderExcluir
  4. Katia, amei seu relato! Meu bebê nasceu 2 dias antes da Manu, e eu gostaria de ter outro daqui a pouco, com a diferença de idade Bruna/ Manu. Sei q realmente deve ser exaustivo, pois o começo ñ é fácil (pensei em até ñ ter mais filhos, ficar só com o Enrico, de tão difícil que achei o primeiro mes!), mas tudo passa, e passa rápido! Já já elas estarão na mesma fase e crescerão juntas, amigas! Desejo que curta bastante e continue tendo muita energia, pois já já seus bebês estarão grandes, mocinhas!!! Bjss

    ResponderExcluir
  5. katia, estou na mesma situaçao que voce! estou com uma nenem de uma semana e um filho de dois anos em casa!!! confesso que estava aguardando ansiosamente esse seu post, mas ainda bem que voce demorou e minha filha nasceu antes, senao teria infardado!!! hahahahah estava mooorta de ansiedade pra saber como ele reagiria a chegada da irma, pois ele eh suuuuper apegado comigo!! fiz exatamente as mesmas tecnicas que voce adotou! comprei uns presentes, coloquei ao lado do berço no hospital e nao estava com ela no colo no momento em que o irmao chegou! justamente pra nao chocar! mas a reaçao dele foi otima sabe... ficou encantado com ela. querendo mostrar tudo pra ela... uma graça!!! logico que teve os ciumes quando coloquei ela no colo e no peito pela primeira vez, mas nada que nao desse pra contornar!!! hoje estamos todos em casa, ele vai pra escola de manha, mas nao quer sair de junto de mim no resto do dia sabe.... agora que eu estou conseguindo que ele va brincar no parquinho do predio de tarde, mas fora isso quer ficar comigo 24hs por dia... e a psicoloca da escola disse que isso eh super normal que eu deixasse ele ficar do meu lado, que nao insistisse pra ele sair... pra ele nao ficar achando que eu quero que ele saia pra ficar sozinha com a irma! mas vou te contar... eh muito dificil!!!! mas eh uma delicia! incrivel como em tao pouco tempo ja nao nos vemos em outra situaçao ne... sem ELES!!!
    beijos e boa sorte nesse comecinho!!!
    Mariana de Recife

    ResponderExcluir
  6. Estou prestes a viver a mesma situação,
    finalzinho da gravidez e com um filho de 2a7m que é bem apegado a mim,
    gostei muito da dica de deixar uns brinquedos ao lado do berço pra dizer que é presente da irmãzinha, não tinha pensado nisso,
    e tbm no fato de quando ele chegar pra conhecer a irmã eu não estar com ela no colo, nem mammando,
    ótimas dicas,
    muito bom o post,
    obrigada por compartilhar,
    estou bastante ansiosa pra ver como será!

    ResponderExcluir
  7. Valéria Bortoletti20 de setembro de 2012 14:32

    Oi Katia, simplesmente muito verdadeiro o seu post... achei demais... pois os seus medos, inseguranças e sentimentos de culpa, pode ter certeza absoluta de que não são particulares só seu, a maioria da mães passam por isso, é maravilhoso ser mãe, mas também tem os seus momentos extremamente difíceis..... Posso dizer que a admiro muito, é isso só faz com que eu queira ler o seu blog diariamente. Nos conta coisas, que as vezes nem as nossas melhores amigas nos dizem.... É acho necessário nos prepararmos para algumas situações... Te desejo um super beijo e que com certeza como você mesma disse no final da tudo certo... As suas duas princesas são lindas!!! Beijos!!! Valéria e Allexia

    ResponderExcluir
  8. vc é a blogueira mais sincera que eu conheço !! agente lê os seus posts e se indentifica .a maternidade lógico é a melhor coisa na vida de uma mulher mais nem tudo são flores e eu gosto do seu blog por isso.

    ResponderExcluir
  9. Nana nene?? Pensei q vc utilizava as técnicas da Encantadora de bbs. :(

    ResponderExcluir
  10. Katia seu post foi maravilhoso pra mim que estou me preparando para engravidar novamente, penso em tudo isso que vc relatou acima... Penso muuuuito nos dias que ficarei na maternidade como ficará meu piscológico deixando um filho pequeno em casa, queria ganhar o(a) baby virar as costas e já vir p/ casa mas sei que não é assim precisarei ficar lá por pelo menos 2 dias inteiros, apesar de saber que meu filho ficará bem assistido o coração fica em pedaços pelos simples fato de não poder estar presente nesses dias, receber a visita dele na maternidade e não poder ir embora com ele vai ser dificil, esperar até o dia da alta vai dar a impressão de uma eternidade, vc me entende?! Poderia me dizer como vc fez ou pensou para que o tempo passasse "voando" sem você sentir muito? Help!!!
    Super beijo e obrigada pelo post maravilhoso e por vc ser tão sincera!!!
    Val e Gui

    ResponderExcluir
  11. Meninas, obrigado pelo carinho!

    Val, realmente os dias na maternidade foram eternos... eu só queria ir embora para ficar com a minha filha. Graças a Deus tenho minha mãe que me ajuda muito e ficou com ela esses dias. Então eu sabia que ela estaria bem e que minha mãe faria de tudo para distraí-la e deixa-la feliz. A gente sofre mesmo, mas faz parte do processo. Mas nao vou negar que fiquei bem angustiada antes da Manu nascer.
    Bjs

    ResponderExcluir
  12. Karine, o Nana Nene é para aprender a fazer a crinaça dormir. A Encantadora é para rotina de tudo, comer, dormir, brincar...
    bjs

    ResponderExcluir
  13. Li e reli algumas vezes! Palavras reconfortantes...
    Obrigada.



    Aryela

    ResponderExcluir
  14. Katia, e um prazer ler as suas experiências e poder aprender um pouco com vc. Adoro blog e já virou rotina entrar todos os dias.
    Estou gestante de 19 semanas e muito feliz de poder gerar essa vida, Graças a Deus.
    Comei a ler seu blog de trás p frente para não perder nenhuma dica importante....meu marido esta indo para os EUA comprar o enxoval, por isso tem muitas anotações de compras.
    Beijo grande e continue essas mulher, mãe e blogueiro sensacional.
    Beijo
    Jabá

    ResponderExcluir
  15. Lindo relato...ainda fico me perguntando como é possível caber ainda mais amor com a chegada do segundo filho...meu bebê está com 1 ano e 10 meses e ainda não tive coragem de encarar uma segunda gravidez. Acho que preciso de um pouco mais de tempo, para curtir mais meu bebê que ainda é tão dependente de mim! Espero que eu saiba dividir meu tempo e meu coração quando a minha hora chegar!

    ResponderExcluir
  16. Oi Kátia, adoro ler seus posts... Todo dia dou uma olhadinha pra ver o que tem de novo... Bem a minha Beatriz chegou antes da hora. Estavamos planejando o parto pra hoje, mas domingo (dia 16)de madrugada, advinha só? A minha bolsa rompeu. Marido viajando à trabalho lá fui eu pro hospital do jeito que deu pra receber a Beatriz... Minha experiência no hospital foi traumatizante e ainda tenho vontade de chorar quando lembro. Mas a chegada da Beatriz compensa tudo. Bom ela é minha segunda filha, irmã da Malú de 7 anos que está simplesmente um grude comigo e apaixonada pela irmã... Fica o tempo todo em volta da irmã... uma fofa. Até o momento está tudo bem, veremos como será daqui pra frente, mas acho que não terei muito problema com ciúmes não porque sempre a incluo nos afazeres coma Beatriz e ela se sente importante com isso. Obrigada por dividir sua rotina conosco.
    Beijos e felicidades com suas lindas priencesas.
    Daniele de Castro

    ResponderExcluir
  17. Oi Kátia, pode me tirar uma dúvida? Sou mãe de primeira viagem (serei, ainda) e estou dividida entre ler o nana nene (e a aplicar as técnicas ) ou o a Encantadora de Bebês. O que me diz sobre esses dois livros? Muito obrigada!!!!!!

    ResponderExcluir
  18. Carolina Aratangy De Bolle25 de setembro de 2012 07:56

    Oi Katia,tudo bom?Adoro seu blog, e o jeito como escreve.Te acompanho todos os dias e a impressão que tenho é que somos amigas de infancia,muito louco, né?
    Esses dias vi uma foto da sua irma no blog e me lembrei dela, fizemos ballet juntas na Dona Kit.Veja se ela lembra de mim.Acabei de ter minha primeira filha,nasceu dia 5 de setembro, o nome dela é Maria. Ainda não acertei com o pediatra, e como toda hora, vejo que menciona o seu, e todas as dicas que ele te da, resolvi, te escrever e perguntar. Quem é seu pediatra? Pode me passar o contato?
    Beijo grande. A Bruna e a Manu são lindas!Parabéns!

    ResponderExcluir
  19. OI Carolina, que coincidencia! Parabens pela Maria! Manda um email para mim no minhasdikas@gmail.com que te passo o contato! beijao

    ResponderExcluir

 
Minhas diKAs Baby © Copyright 2011 | Design por Katia Ouang. Codificado por Delikka.