Minha História - Relactar é Possível

Hoje vou mostrar uma história bem diferente, que fala sobre relactação. Algo bem pouco comentado e super importante para quem realmente deseja voltar a amamentar depois de ter que parar por algum motivo.
A Luciana, mãe da Laura, conta como foram os problemas que teve após o parto, e a emoção de poder voltar a amamentar depois de ter que secar o leite para uma cirurgia inesperada.

"Quando eu soube que estava grávida, tudo passou pela minha cabeça. Será que vou dar conta? Como será o parto? Será que vai ser uma menina como eu sempre sonhei? Loira?  Morena? Careca? Olhos iguais aos meus? Mil coisas…mas nunca tive preocupação alguma quanto a amamentação, para mim seria natural.

Finalmente a Laura chegou, o leite desceu, logo pegou o seio, em uma semana havia engordado bem e eu seguia tranquila amamentando-a.

Eu tenho algundo nódulos na mama, desde os 15 anos (tenho 34 anos) e faço acompanhamento médico.  Eles aumentam, somem, voltam, mas nada preocupante, são todos , friboadenomas benignos, nunca foi recomendado tirá-los.

Após 30 dias amamentando, eu sentia uma dorzinha na mama direita, achava natural, foi quando comecei a notar que o meu nodulo de 3cm estava maior. Fiz o primeiro ultrasson, realmente apontou que o nódulo estava com 8cm, mas nada grave, parecia hormonal e um volume maior natural devido ao grande volume de leite.

Passado 45 dias, o que tinha 8cm foi para quase 20cm. Alguns exames apontaram que o nódulo estava bloqueando um ducto de leite, formando uma GALACTOCELE.

Galactocele é o nome dado à formação cística nos ductos mamários contendo fluido leitoso. O líquido, que no início é fluido, adquire posteriormente um aspecto viscoso, que pode ser exteriorizado através do mamilo. Acredita-se que a galactocele seja causada por um bloqueio de ducto lactífero. Ela pode ser palpada como uma massa lisa e redonda, mas o diagnóstico é feito por aspiração ou ultra-sonografia. O tratamento é feito com aspiração. No entanto, com freqüência, a formação cística deve ser extraída cirurgicamente, porque o cisto enche novamente após a aspiração.

 O nódulo estava duro e dolorido, foi quando meu médico recomendou fazer uma punção, para análise do nódulo.

Feita a primeira punção (horrível, por sinal) o nódulo esvaziou, ficando mais confortavel amamentar. Infelizmente depois de 2 dias o nódulo encheu  novamente. Voltei ao médico e repetimos o procedimento por mais 2 vezes. Amarrava o peito para não voltar, chorava muito.

No periodo pós parto nossos hormonios estao “revirados”. Eu assustada pelo o que estava acontecendo, sem dormir (a Laura não dormia bem), aprendendo a cuidar de uma nova vida, enfim todo esse quadro  desencadeou uma  depressão feia.  Eu já achava que o nódulo era maligno, que eu iria morrer e estava desesperada pois ia deixar minha filinha. Um absurdo, não estava me reconhecendo.

Foi quando veio a notícia que não era nada grave, mas eu precisaria secar o leite e realizar uma cirurgia, pois estava muito infeccionado e poderia piorar o quadro. Nada grave?

Um drama, chorei 3 dias seguidos, fiquei de pijama no sofá de casa. Não queria ver ninguém, estava arrasada. Eu estava amando ter minha filhinha nos braços, ela estava super gordinha e bem com o meu leite. E agora?

Passei no pediatra que recomendou as doses de leite, e de um dia para o outro ela foi para a mamadeira. Adorou, pegou sem problemas e eu só chorava, sentia que tinham tirado meu bebê de mim.

Eu não conseguia pegar ela no colo, de tanto que eu sofria. As mamas enormes, o seio dolorido, eu arrasada. Sentia culpa, como se eu estivesse me sabotando para não amamentar mais. É eu estava bem “pirada”.
Tomei os remédios para secar o leite.  No dia da cirurgia deixei uma carta pedindo para meu marido, minha irmã e minha mãe cuidar dela caso eu faltasse…olha o drama…
Ocorreu tudo bem,  a cirurgia foi tranquila, no dia seguinte eu estava em casa.

Com um dreno no seio, 22 pontos, e a Laura na mamadeira, eu não podia segura-la. Minha mãe foi incrível, nós sempre brigamos muito e se nada é por acaso nessa vida nosso  relacionamento se transformou nesses dias , ficamos muito unidas e choramos juntas. Bom, acho que foi a primeira vez que vi meu pai chorar e falar para mim “deita aqui no meu ombro e chora filha”.

Passados 20 dias, tirei o dreno, pontos cicatrizados eu ainda queria amamentar. O pai da Laura acreditava 100% que seria possível, e afirmava isso com tanta certeza que mesmo ele não tendo ideia do que estava acontecendo com o meu corpo, ele me apoiou muito. O médico mastologista, disse que clinicamente eu estava muito bem, mas não recomendava, dizia para eu “olhar para frente”. Ela estava adaptada, mas eu não.

Tive uma conversa com a minha ginecologista e ela me perguntou “Lu isso vai passar quando vir o segundo filho?” E eu disse que não, pois sentiria culpa. Eu lembro que eu eu falei que o não eu já tinha….e ela disse: Quer tentar o SIM?

Foi quando recebi o apoio de uma professional da area de relactação Kelly Coca do Menu Materno.

Ela me passou algumas orientações, conversamos bastante. Tentei algumas vezes usar o “Mamma Tutti”, mas a Laura não gostava muito não, jogava longe…

Aos poucos fui colocando ela no peito, e conversando calmamente.

Ela chorava, pois o leite não saia, eu dava a mamadeira  e assim fomos por menos de 2 semanas.

Não contei pra ninguém, fazia isso diariamente, em segredo eu e ela e sempre calma.

No dia das mães, acordei com a camisola molhada de leite. Peguei ela no colo, coloquei no peito e mamou fazendo carinho. O dia das mães mais lindo da minha vida inteira. O leite voltou, o peso dobrou e o pediatra pediu para eu tirar a mamadeira em menos de 1 mês.

Hoje a Laura está com 2 anos e 3 meses, gorducha saudavel e mamou muito (1 ano e 10) nem eu acredito que é verdade. Tudo passou, ficou um enorme aprendizado.

Fiz um tratamento de 1 ano com a psiquiatra, remédio certinho para ficar bem logo. Não foi fácil, mas passou. Ufa!

Hoje dou risada, amo amamentar, mas também acho que vale dizer o lado menos romantico da coisa, porque eu penso que enquanto amamentamos não somos “nossas”, somos do outro, eu tinha até a sensação que a mama não era minha, outras mulheres já comentaram isso comigo também, ficamos “azedas”, “fedidas”…falando a verdade… é muito difícil!

Enfim, quando queremos algo, a cabeça manda no corpo, a cabeça MANDA. Ser mãe é ter muita dedicação, e para quem ainda não acredita, eu afirmo! Sim!!! Relactar é possível!!!

Espero que gostem do depoimento, fraquezas todos nós temos, mas o quanto somos fortes só vivendo pra descobrir, obrigada. Katia por dividir esse momento no seu blog tão querido! Lu Correa"





| Categorias:

19 comentários:

  1. Amanda Rodrigues17 de maio de 2013 06:20

    Meu caso não foi tão complicado, graças a Deus, mas quando meu bebê nasceu, demoraram muito para me levar para o quarto e quando cheguei ele estava com muita fome, não tive suporte necessário da equipe do hospital, resultado, deram o copinho pra ele e ele perdeu a sucção, fiquei arrasada, mas vendo ele perder peso, e com a ajuda profissional (pediatra e especialista em amamentação) resolveram introduzir a mamadeira, então eu tirava o leite e dava para ele... fiquei muito triste mas nunca desisti...várias vezes ao dia tentava, até que quando ele fez 1 mês começou a sugar e hoje aos 3 meses mama perfeitamente! Todos ficam impressionados da minha persistência, realmente foi bem complicado, mas hoje me sinto muito feliz amamentando meu filhotinho!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que delícia Amanda! Curta, já tenho saudades! bjs

      Excluir
  2. Carolina De Bolle17 de maio de 2013 09:29

    Lindo Lu!!!!! Amei!!! Estou emocionada!!! Parabéns!!!

    ResponderExcluir
  3. Meu filho nasceu grande e super bem, logo pegou no peito e mamou tanto de rachar os meus bicos!! Quase não perdeu peso na maternidade mas quando chegou em casa não ganhava peso de jeito nenhum! O pediatra é super a favor do aleitamento materno exclusivo mas não teve jeito, tive que complementar!
    Hoje ele está com 1 mês e meio e mama em mim e no mama tutti, queria muito conseguir amamentar só no peito mas infelizmente não produzo o suficiente pra ele....é uma frustração ainda não consegui o meu objetivo...quem sabe daqui um tempo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Carol, tenha calma que o corpo demora para "regular" o que eu posso dizer é ele produz de acordo com a demanda. Uma máquina, perfeita e inteligente. Tente ir tirando o mama tutti aos poucos, para seu corpo produzir mais. Aproveite cada colo! bjs

      Excluir
  4. Luciana, parabens pela sua forca de vontade e por nao desistir! Amamentar e' maravilhoso e vale cada noite mal dormida e cada dor que sentimos!!!

    ResponderExcluir
  5. Que história mais linda!! Me emocionou
    Amamentar foi para mim a melhor experiência que eu já tive!!!
    Parabéns Luciana!!! Virei sua fã
    Sou pediatra e nunca tinha visto isso
    Bjs

    ResponderExcluir
  6. Que história linda.. pura superação! Minha Nahty esta com um mes e mama muito bem no peito! Amamentar no começo dói, as vezes cansa, nos deixa azedas e arrisco dizer ´que até um pouco piradas..mas mesmo assim, sou muito feliz por conseguir amamentar. Morro de medo de um belo dia (antes do esperado) a Nathy não querer mais..ou o leite secar.
    Bjokas

    ResponderExcluir
  7. História linda!!! Parabéns a Lu pela determinação!!! Bjss

    ResponderExcluir
  8. Valéria Bortoletti19 de maio de 2013 07:19

    Oi Luciana, linda a sua história!!! Obrigada por dividir conosco, me emocionei muito. Sou mãe de um menino de apenas um mês, e o aleitamento materno esta sendo bem complicado, pois não produzo leite o suficiente, estou tomando medicação mas infelizmente até agora não melhorou, e ja tive que complementar, confesso que isso me deixa bem frustrada, porém estou tentando pensar que não é o fim do mundo, que o que importa e que ele esta ganhando peso e esta saudavel... Afinal, não podemos nos exigir tanto... Um super beijo!!!

    ResponderExcluir
  9. Um dos posts mais emocionantes que ja li no blog! Sua determinacao eh inspiradora Luciana! Beijo grande!

    ResponderExcluir
  10. Obrigada a todas meninas pelo carinho! bjs

    ResponderExcluir
  11. Luciana,

    Que bom você ter contado o seu depoimento aqui, obrigada! É sempre muito bom saber sobre o que outras mães já passaram e comprovar que com amor, dedicação e perseverança é possível atravessar os maiores obstáculos por um filho. Realmente nunca tinha visto uma história como a sua... Parabéns pela filha linda e muita saúde para vocês duas!

    ResponderExcluir
  12. Parabéns! Coisa linda de se ler! Minha filhinha está com 8 meses e meio e amo amamentar! Mesmo passando 12 horas por dia longe dela durante a semana, mantenho uma mamada de manhã e outra a noite. Nos fins de semana dou mais vezes. Me perguntam como tenho leite assim... Sei lá, simplesmente dá certo! Bis, flávia

    ResponderExcluir

 
Minhas diKAs Baby © Copyright 2011 | Design por Katia Ouang. Codificado por Delikka.